HISTÓRIA

Em Curitiba tudo começou em 1968, quando a partir do 3o. Cursilho para homens, em Telêmaco Borba, participaram os primeiros curitibanos como Euro Brandão, Dirceu Ribas Medeiros, Dr. Luiz Jonas e outros que, em suas reuniões de grupo rezavam e pediam a Deus que aumentassem o movimento de cursilhos em Curitiba. Dessas orações se originou o Cursilho em nossa capital.

Em um jogo de buraco, em uma cidade do interior de Minas Gerais, onde Airton jogava com outros parceiros, notou que, em determinada hora, dois deles se levantavam, a chamado de uma terceira pessoa, que era gerente do Banco do Brasil e se fechavam em uma sala. Esse fato se repetiu em três dias seguidos e na mesma hora. A principio os dois outros parceiros julgaram se tratar de negócios ou mesmo de falta de educação. Quando esse fato se repetiu por três dias seguidos, os parceiros que se retiravam foram forçados a confessar que se reuniam naquela hora para rezar pelos cursilhos de todo o mundo e especialmente pelo que ia se realizar dali a poucos dias, em Telêmaco Borba, relatando superficialmente do que se tratava. Cinco dias depois, em 31 de outubro de 1968, realizava-se o 5o. cursilho de TelêmacoBorba, onde estavam inscritos mais cinco curitibanos: Loridan, Nascimento, Walmir, Raul e Alex. Lá também apareceu o Airton, contrariando todas as regras, querendo fazer o Cursilho. Por não ter sido feita a inscrição, não ter representante e ser desconhecido de todos os dirigentes, foi lhe negada a participação, sob a alegação de "não ter vaga". Após muito insistir, alegar ter viajado duzentos e cinqüenta quilômetros até Telêmaco Borba para fazer o cursilho e que seria desumano fazê-lo voltar para Curitiba, foi-lhe aberta a exceção, permitindo-lhe participar do Cursilho.

Saindo de Telêmaco Borba com um entusiasmo fora do comum, pretendia converter Curitiba inteira, mas não tinha qualquer conhecimento do método. Em contato com o secretariado nacional em São Paulo, onde os cursilhos se realizavam a cada 15 dias, foram reservadas 4 vagas por cursilho, para Curitiba, alem de outras em Telêmaco Borba, Paranaguá e Ponta Grossa, onde também eles eram realizados.

Assim se foi formando um grupo de 50 Cursilhistas que simultaneamente iam trabalhando nesses cursilhos para adquirir experiência.

O secretariado nacional prometeu que ao atingir o numero de 50 Cursilhistas em Curitiba, seria realizado aqui o primeiro Cursilho, com equipe de São Paulo. Completando esse numero em fevereiro, Airton cobrou de São Paulo a equipe e a realização do 1o. Cursilho. Com a equipe completa e escolhido como local para a realização seminário maior, com o consentimento do monsenhor Ivo, estava tudo pronto para o 1o. Cursilho. Faltava, entretanto, o principal: a autorização do arcebispo Dom Manuel, que não estava sabendo de nada.

Dom Manuel chamou Airton para explicar do que se tratava e o convidou a falar em uma reunião dos bispos do Paraná, que se realizou no seminário maior. Nesta reunião estava Dom Geraldo, bispo de Ponta Grossa, que participara do Cursilho em Telêmaco Borba com Airton, e dele riu muito, pois, além de gago teve que falar para uma platéia seleta de bispos, mas lha dando muito apoio.

Dias após essa reunião de bispos, Airton foi chamado à casa dos padres redentoristas, onde encontrou Pe. Patrício, já designado por Dom Manuel para o cargo de diretor espiritual do movimento de cursilhos e coma delegação para os organizar.

Organizou-se o secretariado, dessa vez com a aprovação de Dom Manuel e com São Paulo marcaram o dia 29 de abril de 1969 para a realização do 1o. cursilho de Curitiba.

Mas faltava casa para que ele se realizasse, o seminário maior não poderia ser utilizado. Dom Manuel deixou à disposição a casa do Mossunguê, que estava em fase de acabamento.

Já com o cursilho marcado e com muita coisa a ser feita na casa, propuseram a deixá-la em condições no prazo de 35 dias. O grupo trabalhava em seus afazeres profissionais durante o dia e a noite iam trabalhar na casa. Resumindo: O Cursilho entrou às sete e meia da noite.

Às sete horas as mulheres estavam todas lá, encerando o chão e às seis horas estavam sendo compradas às panelas que iriam ser usadas na cozinha. Realizou-se, portanto, com equipe de São Paulo, Telêmaco Borba, Ponta Grossa e Paranaguá, os primeiros Cursilhos em Curitiba, mas já o 6o. Cursilho tinha como reitor (hoje chamado coordenador), o Vespero Mendes e equipes já totalmente compostas por dirigentes de Curitiba.

Por essa pesquisa que realizamos podemos verificar que inicialmente havia duas forças que convergiam para a mesma finalidade: por parte do clero, com a ação do Pe. Patrício e por parte dos leigos, com o entusiasmo do Airton. Ao se unirem, sob a inspiração do Espírito santo, instalaram o movimento de cursilhos em Curitiba, ocasionando uma verdadeira revolução no ambiente religioso de nossa cidade sorriso.

“Moisés gastou: 40 anos pensando que era alguém; 40 anos aprendendo que não era ninguém e 40 anos descobrindo o que Deus pode fazer com um NINGUÉM.”

Entre em contato

Casa de Cursilho de Curitiba

  • Rua Padre Paulo Canelles, nº 1000 - Santa Cândida - Curitiba/PR
    Cep: 82.720-350
  • Tel: (41) 3256-9109

    

Menus do site

Cadastre-se em nossa Newsletter